Etiqueta: igualdade

Merda de preconceito

A história da violência contra pessoas LGBT no mundo é composta de insultos, preconceitos e agressões a gays, lésbicas, bissexuais e transgéneros, prisões e assassinatos de inocentes, danos aos seus direitos humanos e ódio, entre muitos outros erros. Acredita-se que aqueles que são alvos dessa violência violem regras heteronormativas e protocolos de percepção de papéis de género e papéis sexuais. “Os ataques contra pessoas LGBT giram em torno da idéia de que existe uma maneira normal de viver, que engloba todas as expressões, desejos, comportamentos e papéis associados ao género ao qual cada pessoa foi designada no nascimento”. Esta é apenas a definição, mas podes ver o que tudo isso significa? Que temos de desempenhar o nosso papel e seguir regras atribuídas a nós no nascimento, ou então, estamos fadados a ter uma vida miserável, com ainda mais obstáculos, marcada por preconceito e se nos aceitarmos como somos, corremos o risco de morrer pelas mãos de alguém que acha que devemos ser de uma maneira diferente da nossa. Primeiro: eu não pedi para nascer, e depois com o meu nascimento, a minha mãe também deu à luz um manual inteiro de 300 páginas que eu deveria seguir sem perguntas sobre como eu deveria agir, sentir, pensar e ser? Como é que essa merda é justa? Não deveríamos ser quem nascemos para ser? A violência direcionada às pessoas devido à sua sexualidade percepcionada, pode ser psicológica e física, chegando aos assassinatos. Atos violentos, incluindo abuso doméstico e sexual, contra a comunidade LGBT, e bem, com relação a todas as pessoas, é claro, mas agora estou a falar dessa comunidade, podem levar à depressão, comportamentos suicidas e trauma. Eu não sou lésbica ou trans. Eu sou heterosexual, mas ainda assim digo que estou lutando pela minha causa. Porque eu quero um mundo melhor para mim e para os meus filhos, se eles vierem algum dia. No final, quero um mundo melhor, onde não haja espaço para qualquer tipo de discriminação, para todos nós: um mundo justo, gentil e feliz. Não um mundo de merda, feito de gente de merda, com regras e idéias de merda. Quem quer isso? Porque alguém pode ser envergonhado, perseguido, maltratado, posto de lado, amado menos ou nem um pouco, ignorado, apenas porque essa pessoa ama alguém do mesmo sexo? Também ama e isso é tudo o que devia importar. Todos devemos poder amar alguém, em liberdade e em felicidade. Quem são eles para dizer o que é ou o que não é normal, apenas porque é diferente? Não há diferença entre mim e os meus queridos amigos gays. Existem sim diferenças entre mim e quem os julga e ainda mais diferenças entre mim e aqueles que julgam o suficiente para criar sofrimento em outra pessoa. “A liberdade de uma pessoa termina onde a liberdade de outra pessoa começa.” Porque não começamos a por isto em prática? Não acredito que ninguém tenha ouvido isto antes. Ninguém se deve sentir autorizado a roubar a felicidade de alguém ou o simples direito dessa pessoa de ser. Alguém que rouba ou inflige dano esconde as suas ações porque é criminoso e errado, mas porque é que alguém deveria se esconder se tudo o que está a fazer é estar a ser ele mesmo e amar outra pessoa? Como tu te sentirias, e agora estou a falar apenas com as pessoas heterossexuais como eu, se o teu direito de seres tu mesmo fosse subitamente roubado de ti? Se tu não pudesses apresentar o teu amor à tua família, temendo que ela vos repudiasse, se decepcionasse e até sentisse nojo de ti pelo simples fato de amares alguém do sexo oposto? Como as pessoas heterossexuais pensariam e se sentiriam se a história e o mundo tivessem acontecido ao contrário? Se a homossexualidade fosse a chamada normal, ou a norma, e a heterossexualidade fosse a minoria, a maneira errada de ser, e até, quem sabe, um crime? Se ser heterosexual fosse agora uma razão para tu seres espancado e assassinado por alguém que tu nunca conheceste antes? Como tu te sentirias se não pudesses te casar com o teu amor? Se tu perdesses amigos (que na minha opinião nunca foram verdadeiros amigos ou não te teriam deixado por isto) e a família te abandonasse apenas e só por preconceito? Como tu te sentirias se seres heterossexual de repente fosse o teu segredo obscuro e pervertido? O que te faz sentir que podes não ser normal. Ou que algo estará errado contigo. Ou que estás doente, e precisas de ser corrigido ou curado? Se isso te faria sentir isolado, deprimido e até propenso a pensamentos suicidas? Não porque tu fizeste algo errado, mas apenas porque é assim que tu és. Tu sabes que és heterosexual, sentes que não podes contar a ninguém, e o mundo de repente fica muito mais difícil para ti, só por causa disso? Como tu te sentirias? Pensa melhor da próxima vez se fores dos que sentem algum tipo de preconceito em relação às pessoas não heterossexuais e antes de dizeres algo errado sobre isso, da próxima vez. Não podemos mudar o passado, mas podemos corrigi-lo no presente. Eles também são pessoas. Eles também têm sentimentos. Eles também se magoam. Somos todos iguais, somos seres humanos, e todos devemos igualmente ser autorizados a nos expressarmos completamente, a amar-nos a nós mesmos e a quem amamos. Sê gay, se fores. Sê heterossexual, se fores. Sê um unicórnio, se quiseres. Mas vamos ser gentis.